Cursos, Assessoria e Consultoria em Siconv, Elaboração de Projetos e Captação de Recursos

Blog

  • MINISTÉRIO DA CULTURA
  • 29/09/2017

MinC reforça parceria entre as áreas de cultura e turismo

MinC reforça parceria entre as áreas de cultura e turismo

No dia internacional do Turismo, comemorado nesta quarta-feira (27), o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, participou da abertura da 45ª Expo Internacional da Associação Brasileira de Agências de Viagem (Abav), em São Paulo. O prefeito de São Paulo, João Doria, e os presidentes da Abav, Edmar Bull e da Embratur, Vinícius Lummertz, também participaram do evento.

O ministro defendeu a integração natural entre os setores da cultura e do turismo, uma vez que uma das principais motivações de viagem é conhecer a cultura de um país, seus signos e símbolos, o modo de ser de seus povos. Nesse sentido, Sá Leitão ressaltou a importância do calendário de eventos Rio de Janeiro a Janeiro, lançado no último domingo, dia 24 de setembro.

O calendário é fruto da parceria entre os governos federal, estadual e municipal, e a iniciativa privada. O objetivo da iniciativa é potencializar eventos culturais, esportivos e turísticos e maximizar o impacto sobre a economia não só do Rio, mas do Brasil, já que a cidade é a principal porta de entrada de turistas do País.

"Estamos trazendo para o Governo Federal o que já é a realidade. Temos muito a fazer juntos, com ações e iniciativas que vão favorecer essas vocações econômicas do Brasil: o turismo e a economia criativa", disse o ministro. Com a expansão de eventos tradicionais e viabilização de novos projetos é possível atrair investimentos e turistas, criando oportunidades de emprego e renda no estado e na cidade do Rio de Janeiro. Segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, um aumento de 20% do turismo seria capaz de injetar R$ 6,1 bilhões na economia do estado.

Saiba Como Elaborar Projetos na Lei Rouanet.

A agenda do programa Rio de Janeiro a Janeiro começa com a festa de Réveillon de Copacabana e segue durante todo o ano, passando pelo Carnaval – com desfiles das escolas de samba e blocos de rua – e demais atividades culturais, turísticas e esportistas.

Relevância econômica

Os setores cultural e turístico estão entre as 10 maiores atividades econômicas do País, sendo responsáveis por 2,64% e 3,2% do PIB nacional, respectivamente. O ministro do Turismo, Marx Beltrão, falou sobre a importância da parceria com o Ministério da Cultura e ressaltou o potencial dos setores para o avanço do Brasil.

Lançamento de selos

Durante a cerimônia de abertura da feira, ainda foram lançados, em parceria com os Correios, selos comemorativos que estampam paisagens turísticas das cinco regiões do Brasil. A série de selos América traz as paisagens de Monte Roraima (RR); Maragogi (AL), Chapada dos Veadeiros (GO), Armação de Búzios (RJ) e Cataratas do Iguaçu (PR).

Saiba mais: Governo anuncia calendário de eventos para o Rio de Janeiro

Leia a íntegra do discurso do ministro Sérgio Sá Leitão durante a cerimônia de abertura da 45ª Expo Internacional da ABAV:

"Bom dia a todos e a todas,

Gostaria muito de agradecer o convite para estar aqui com vocês, agradecer aos nossos queridos anfitriões, a Magda Nassar e o Edmar Bull. Gostaria também de saudar todos que estão na mesa e faço isso em pessoa do meu querido colega, o Ministro Marx Beltrão, do turismo. Vocês sabem que turismo e cultura são atividades não apenas complementares, são atividades que estão naturalmente integradas.

Uma boa parte da motivação que as pessoas têm para fazer turismo, para conhecer novos lugares, cidades, países, é buscar a cultura desses lugares, buscar o conjunto de valores, de princípios, de signos, de modos de ser, de estar e a própria criação cultural e a vivência comportamental das pessoas, dos povos desses lugares. Então, é absolutamente natural que a cultura e o turismo estejam juntos.

13 Dicas das Principais Fontes de Captação de Recursos

No governo federal, não estamos fazendo nada mais do que trazer para o governo isso que já é uma realidade no dia a dia das pessoas, no dia a dia de vocês que trabalham com o "trade" de turismo. Cultura e turismo tem que andar juntos, tem que se integrar, tem que ter ações coordenadas e vamos fazer isso, na verdade já estamos fazendo isso no âmbito do governo federal por meio desse diálogo, dessa parceria, dessa troca, dessa combinação, desse entendimento entre o Ministério do Turismo e a Embratur e o Ministério da Cultura e as suas instituições.

Temos muitas coisas para fazer juntos e penso que essas ações, essas iniciativas, vão beneficiar muito o "trade" de turismo e o conjunto da sociedade brasileira. Uma dessas ações vocês viram, o vídeo que foi apresentado aqui, foi exatamente esse programa: Rio de Janeiro a Janeiro. Eu gostaria de aproveitar esse momento, essa oportunidade, para falar um pouco desse programa aqui para vocês e também, exortá-los, convidá-los, estimulá-los a se engajar nesse programa.

É fundamental que o setor de turismo, que as agências de viagens, que os agentes de turismo, que as companhias aéreas, enfim, todos que trabalham no setor de turismo, se apropriem desse programa, dessa iniciativa, desse calendário Rio de Janeiro a Janeiro. Incorporem esses eventos que estão sendo apoiados e promovidos por meio dessa iniciativa nas suas atividades, de maneira que nós possamos verdadeiramente potencializar, maximizar o efeito desses eventos sobre o turismo e sobre a economia, não apenas do Rio de Janeiro, mas do Brasil.

Tudo o que acontece no Rio reverbera positiva ou negativamente sobre o conjunto do País. Estamos falando da principal porta de entrada dos turistas no nosso país, dos turistas de fora, estamos falando também do segundo maior PIB anual do País. Se o Rio compra menos, diminui seu poder de consumo, obviamente isso prejudica o conjunto da economia brasileira e por aí vai. Então, faz todo o sentido que o governo federal estabeleça essa parceria com o governo do estado com a prefeitura da capital, mas também com as prefeituras das demais cidades, no sentido de promover articuladamente, integradamente, duas das principais vocações econômicas e sociais do Rio de Janeiro e, por que não, meus amigos, do Brasil? Eu me refiro obviamente ao turismo e à economia criativa.

Se pensarmos no País como um todo, como foi dito aqui, temos aí a contribuição do turismo para o PIB do Brasil da ordem de 3,7% e uma contribuição dos conjuntos das atividades que compõem o campo da economia criativa da ordem de 2,64%. Mesmo sendo paradas, essas duas atividades, esses dois setores, estão entre as 10 maiores atividades econômicas do nosso país, com peso econômico maior do que atividades econômicas tradicionais que muitas vezes são mais reconhecidas e mais apoiadas inclusive pelo poder público. Me refiro, por exemplo, à indústria de eletroeletrônicos, à indústria têxtil, à indústria farmacêutica... São setores que tem um peso econômico inferior ao que o turismo e a economia criativa têm no Brasil; são duas grandes vocações do nosso País e são duas grandes vocações do Rio de Janeiro. No caso do estado do Rio, o PIB do turismo é 4% e o PIB da economia criativa é 3,9% - estamos falando de duas atividades entre as cinco maiores atividades econômicas do estado do Rio de Janeiro.

É fundamental, portanto, essa exortação que eu gostaria de fazer a vocês, que o setor de turismo abrace o Rio de Janeiro a Janeiro e se aproveite dele ao máximo. No que consiste exatamente esse programa? Nós formamos, no âmbito do governo federal, um grupo de trabalho com o Ministério do Turismo, com a Embratur, com o Ministério do Esporte, e a maioria do trabalho é coordenado pela Secretaria-Geral da Presidência da República. O governo federal, como vocês sabem, está ajudando, apoiando o estado do Rio de Janeiro com três linhas de ação: uma linha é o reforço da segurança pública, a outra linha é a recuperação fiscal do estado e a terceira linha, é justamente a linha de geração de emprego e renda, de desenvolvimento para que o estado do Rio possa sair da crise e, com isso, contagiar positivamente o restante do País.

Então, o calendário Rio de Janeiro a Janeiro é basicamente uma iniciativa que visa o desenvolvimento do turismo e da economia criativa no Rio de Janeiro, com a atração de mais turistas, de mais investimentos, e com isso a gente pode irrigar a economia da cidade, do estado. O governo federal, por meio desse grupo trabalho, fez uma seleção prévia de eventos, tanto eventos que já acontecem tradicionalmente, quanto eventos novos que estão sendo previstos pensados pelos organizadores de eventos no Rio. Esses eventos foram analisados pela Fundação Getúlio Vargas, que nós contratamos justamente para essa função. Eles foram analisados sob cinco critérios: a capacidade de atração de turismo, a capacidade de geração de emprego e renda, a capacidade de atração de investimentos, a capacidade de geração de inclusão social e também a capacidade de sustentabilidade e de expansão.

A partir do trabalho da Fundação Getúlio Vargas, chegamos a uma lista inicial de 100 eventos que apresentamos, domingo, no Rock in Rio – foi algo que teve uma grande divulgação e teve um grande apoio do conjunto da sociedade, da mídia, etc. Esses 100 eventos serão apoiados pelo governo federal, pelo governo do estado e pela prefeitura, por meio de patrocínios diretos das empresas estatais, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, da Lei de Incentivo ao Esporte e também das leis estaduais e municipais de incentivo. Enfim, estamos amealhando um total de R$ 150 mil para apoiar a realização e a expansão desses eventos, que no total somam investimentos da ordem de R$ 1 bilhão. A expectativa é que nós possamos aumentar o turismo no Rio de Janeiro, o fluxo de turismo em torno de 20% - e com isso estaremos injetando R$ 6,1 bilhões à economia do estado e do País, e gerando 170 mil empregos diretos por meio do turismo e da economia criativa.

É fundamental que vocês abracem esse programa, que vocês explorem ao máximo essas atividades, que vocês comprem pacotes para que as pessoas do Brasil inteiro e do exterior possam ir a esses eventos. Temos eventos de cultura, eventos de esportes, eventos de moda, de gastronomia; e eventos grandes, médios, pequenos eventos de negócios. Tem um nicho importantíssimo que é um turismo LGBT, temos no Rio de Janeiro a parada de Copacabana, a parada de Madureira, e agora teremos no mês de outubro mais eventos na cidade e no estado do Rio relacionados a esse nicho de turismo, que se afirma cada vez mais.

Esse é o sentido da minha presença e da minha fala aqui: sublinhar essa parceria não apenas natural, mas desejável e necessária entre turismo e cultura. Estamos juntos e convidamos vocês a se apropriarem desse calendário Rio de Janeiro a Janeiro em suas atividades. Vocês são os protagonistas do País, vocês são os empreendedores, são aqueles que geram renda, que geram emprego, que movimentam a nossa economia que gera o desenvolvimento do nosso País. Vocês também são heróis e digo a vocês: o Brasil precisa urgentemente de um choque de liberalismo para que a gente possa nos livrar desse fardo que todos nós, empreendedores, carregamos nas nossas costas.

Enfim, espero que isso entre na agenda da sociedade e entre na agenda da política. Temos o ano eleitoral no ano que vem e vai ser uma oportunidade muito interessante de transformarmos as coisas. É isso, boa feira pra vocês, parabéns pelos números impressionantes do setor e da própria feira, parabéns a vocês. Que seja um momento de grandes negócios e que nós possamos valorizar cada vez mais o turismo e também a cultura do nosso País.

Muito obrigado".